07 maio, 2018

Reflexões de Samhain

Photo on Visualhunt

Me sentei para escrever e a primeira coisa que pensei foi: "nossa que frio, Samhain chegou e com ele o Inverno".
Eu queria me sentar aqui e escrever sobre o ritual com as meninas do Caer Saille, gostaria de dizer como foi leve e intenso, como o Outro Mundo nos recebeu tão agradavelmente, como as energias fluíram de forma natural. Queria expressar como esse ritual foi importante e divisor de águas na minha vida, mas o que acontece em Samhain, fica em Samhain. Agora mais do que nunca, dado que nos foi solicitado segredo. Ordem dos Deuses é ordem dos Deuses, não é mesmo?

Mas ainda que eu não possa contar sobre o rito, eu posso falar como Samhain mexe comigo. Como ele me abala todo santo ano. Por mais que eu tente me esconder, ele tá lá quietinho me esperando nos locais mais sombrios do meu coração. Assim como a natureza começa a se retrair, eu também começo; e esse período costuma ser doloroso, pois fico cara a cara comigo mesma e com meus demônios (e são muitos, infelizmente). Seguir uma espiritualidade da Terra tem dessas coisas. Não é somente celebrar uma data festiva, é também ser tocado por todos os aspectos que envolvem aquele período. E como de costume, todo Samhain eu me fecho um pouco e passo mais tempo refletindo sobre mim mesma, sobre a vida e o mundo ao meu redor. Penso em maneiras de mudar determinadas coisas ou simplesmente passo mais tempo lamentando as trivialidades da existência.

Mas, apesar do estado catatônico que o Samhain me deixa, este também é um período que me traz bastante carinho e reflexão sobre o tema Ancestralidade. Como vocês já sabem, nesse festival os nossos ancestrais são convidados a estarem conosco e celebrarem, recebem oferendas e honrarias. E novamente eu me ponho a pensar que Ancestralidade deve ser tratada com mais cuidado e mais zelo em todos os períodos do ano, e não somente no ritual de Samhain. Afinal de contas, quem ou o que seriamos sem eles? E quando falo sobre atenção, não é morrer de saudades, chorar no túmulo e desejar que a pessoa nunca tivesse morrido, isso é insano e doentio, falo sobre acender uma vela, fazer uma oração, deixar oferendas e contar suas histórias, tudo que fazemos num dia de ritual, que certamente deveria ser feito com mais frequência. Honrar os nossos Ancestrais é honrar a nós mesmos, é reconhecer a nossa importância e o nosso valor. É lembrar que existiram diversas histórias de dores e alegrias para que a nossa própria história pudesse ser escrita. Eu pergunto a mim mesma nessa hora: o que raios eu estou fazendo com a história dos meus Ancestrais? Será que estou vivendo de forma que os honre ou estou jogando tudo no lixo?

E para encerrar esse breve devaneio, quero lhes informar que um novo ciclo se inicia no Chamado de Morrigan. Teremos mais postagens, tanto na página como aqui no blog, mais vídeos em nosso canal do YouTube, e de quebra agora temos nosso próprio domínio! Não temos mais aquele .blogspot feio na nossa url! ♥

~~ Atenção ~~ 
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98