21 setembro, 2016

#30diasdruídicos: Dia 23 - Comunidade



Viver em comunidade hoje é bastante complicado, pois existem diversas diferenças culturais e morais. As pessoas estão divididas e se engalfinhando por motivos minúsculos. Mas, ainda com todas as dificuldades modernas, existe um papel que o Druidista deve assumir.

Primeiramente, é necessário se questionar sobre como podemos, através do Druidismo, auxiliar a comunidade? Seja com o conhecimento das ervas, seja oferecendo uma espiritualidade alternativa para os que não se encaixam na religião padrão, seja com conselhos baseados na sabedoria druídica, seja com um poema ou uma canção que inspire os corações, seja com nossas atitudes, sendo exemplo de pessoas admiráveis. E para isto, acho de imensa importância que saiamos do escuro, ou seja, mostrar ao mundo que existimos e que estamos dispostos a ajudar de alguma forma.

Certamente, o "sair do armário" carrega consigo diversas questões, muitas vezes complicadas. E algumas pessoas optam por seguir sua espiritualidade em segredo. Não julgo essas pessoas, muitas delas tem vergonha ou medo da reação dos outros, ou simplesmente não possuem paciência para explicar pra deus e o mundo o que raios é Druidismo. Mas, para que a semente druídica se espalhe pela Comunidade e cresça, é necessário que receba a luz do Sol e a água da chuva, e como isso será possível se a semente permanecer para sempre dentro de uma caverna escura e fria?

Então, acredito que é necessário assumir uma postura firme diante da sociedade e da comunidade à qual estamos inseridos. É egoísmo guardar o conhecimento para nós e não usá-lo para beneficiar a Comunidade. Afinal de contas, aqui entra novamente a máxima druídica: "curar a si mesmo; curar a comunidade; curar a Terra". Como curaremos a comunidade se permanecermos escondidos do outro lado das brumas?

Portanto, vamos botar a cara no Sol e encarar o que tiver de encarar.

~ Jully Boduogena ~