25 agosto, 2016

#30diasdruídicos: Dia 13 - Inspiração

A Inspiração...a Awen...o Imbas...
Não importa o nome. Importa o que ela faz, o que é e o que representa.
Ela estava lá quando tudo começou. Ela está em tudo e em todos. 
Ela desce do céu como raios de fogo direto para a nossa cabeça
Ela é a canção do bardo e o uivo do lobo
Ela é o nascimento de uma criança e é a morte de um idoso
Ela é a poesia de um coração apaixonado e é o frenesi da batalha
Ela é o fluxo de energias que sobe e desce num movimento espiral 
Ela é os Deuses e é tudo que respira
Ela é a montanha mais alta e o oceano mais profundo
Ela é o mistério da noite e o primeiro raio de sol da manhã

Cada um dos seres é munido por um fragmento dEla, mas permanece adormecida no mais profundo do nosso ser. Em determinados momentos da vida ela desperta, e com ela vem uma enxurrada de emoções, ideias, canções, poemas. Esse fragmento é uma amostra do grande poder Divino da criação. É o que faz o homem entender a grandeza do Universo. É o que abre a nossa visão e expande a nossa consciência para além de nós mesmos. 

Agora vou dizer um insight meu: Os hindus chamam isso de Kundalini, outros chamam de Akasha, eu a entendo como a Awen ou Imbas. Sei que essas culturas são bem diferentes e não quero aqui fazer sincretismo, mas, acredito que a Inspiração Divina vai além daquele calorzinho na barriga que nos motiva a escrever coisas bonitas. Novamente vou tocar neste ponto: somos um microcosmo. A Awen está presente em tudo na Natureza, então, consequentemente também já está presente em nós. Ela nos é entregue no ventre de nossa mãe como 3 raios de fogo que descem pela nossa cabeça e conosco permanece até morrermos. Conforme crescemos, muitos de nós nos desligamos da sacralidade da Natureza. Quando buscamos nos religar ao Divino, essa Inspiração começa a despertar de forma que nos dá consciência de onde estamos e o que somos. Eu acredito que quanto mais perto do Sagrado estamos, mais desperta em nós esta Inspiração Divina estará. Eu posso estar falando um monte de groselhas sem sentido para você, mas na minha mente isso funciona bem.

Digamos que todo ser humano é munido de inspiração, mas nem todos fazem uso dela e outros a usam com excelência. A Inspiração Divina à que me refiro aqui, é como se fosse o "ápice" dessa inspiração. Uma fagulha da essência Divina a qual chamo de Awen, e que desperta em determinados momentos. 

Quando eu sinto a Awen fluindo, eu choro, eu fecho os olhos e me conecto com minhas divindades. Meu corpo inteiro treme e ao mesmo tempo sinto um quentinho nas costas. Eu sinto os Deuses perto, e sinto de maneira mais nítida que faço parte de tudo, ainda que eu seja como um grão de areia, eu sou parte de tudo. Sinto os pés descendo pela terra e tocando as águas frias que nutrem as árvores e sinto minha cabeça subindo tão alto, bem próxima do céu que é morada dos Deuses. Quando a Awen está fluindo, os Deuses falam através de nós e para nós. Somos tomados por visões e sensações inexplicáveis. Quando a Awen sobe e desce num fluxo espiral pelo meu corpo, eu sinto frio e calor ao mesmo tempo, e a sensação é de uma grande felicidade, parece que estou sendo lavada por dentro.

Despertar essa Inspiração não é tão difícil, só precisa de dedicação e continuidade. 
Pare um pouco. Respire fundo. Observe a beleza dos Deuses na Natureza. Feche os olhos e sinta essa beleza fazendo parte de você. Se desligue dos seus problemas cotidianos e se conecte apenas com a magia e a beleza do Universo. O segredo é se desligar das trivialidades do dia-a-dia e mergulhar no mar da Inspiração. 

/|\

~ Jully Boduogena ~