22 agosto, 2016

#30diasdruidicos: Dia 10 - Espíritos da Natureza


Primeiramente, o que é 'espírito'? A definição mais básica é: a parte imaterial de um ser, substância incorpórea e inteligente. A palavra em sí, vem do latim "spiritus", que significa respiração ou sopro (pesquisa rápida no wikipédia). Disso, então, entendemos que todos os seres que respiram possuem um espírito. Este, então, está ligado à vida do corpo. Se o corpo morre, o espírito vai-se embora para outro lugar, ou fica vagando, vai saber?

Após ler este artigo, eu passei a não gostar muito do termo 'Espíritos da Natureza' e, sempre que possível, opto à utilizar o termo ''Seres da Natureza". Leiam o texto e vocês vão entender. 

Mas, nomenclaturas à parte, no Druidismo nós também honramos esses seres que não são nem Ancestrais e nem Deuses, e que, ao longo dos anos foram feitas diversas confusões. A começar pelo termo "Fada" e a aparência dada à elas. 
Nos mitos celtas, aprendemos que os Sidhes, ou Daoine Sídhe, são seres de diversas formas e naturezas, habitantes do Outro Mundo e das diversas outras dimensões dos 3 Reinos. Que podem ser hostis, amigáveis ou indiferentes à nós. No folclore gaélico, aprendemos que ofertar leite e mel na soleira da porta de casa atrai as bençãos desse povo ou, simplesmente apazígua sua fúria. Assim como também chamavam esses seres de "Os Boa Gente", como uma forma gentil de chamá-los, evitando assim que fossem insultados. Enfim, para quem conhece a mitologia celta, sabe como os Feéricos são descritos, e que, esses seres nada tem a ver com as fadinhas-borboletas dos contos e da Disney. Certo? Ainda farei aqui no blog uma série de artigos sobre os Feéricos e Sidhes, mas não é agora o momento. O intuito dos 30 dias druídicos é apenas mostrar a minha percepção sobre eles. 
Então vamos lá.

Dentro de 'Seres da Natureza', eu não entendo apenas os Feéricos, mas também os Ancestrais, os Deuses, animais (incluindo humanos, claro), vegetais, minerais. Afinal de contas, estamos todos inseridos na Natureza, seja ela física, sejam outras dimensões dentro dos 3 Reinos. 
Na crença céltica, tudo tem alma. Então, mares, montanhas, árvores, florestas, também possuem espíritos e também existem seres que ali habitam. Sejam animais ou Feéricos que guardam estes locais.

Aí você me pergunta: e qual a diferença de um espírito de uma árvore e de um Sidhe?
Um espírito que pertence à uma árvore, é um Espírito Local, deste mundo. Talvez o que se encaixaria em 'Espírito da Natureza', porém, a árvore não é somente espírito, ela também possui um corpo e por isso, o termo Ser.
Já um Sidhe, ou Feérico, são seres do Outro Mundo, que possuem diversos tipos de formas e aparências. Eles habitam além dos véus do nosso mundo ou podem habitar aqui também, bem como podem ser guardiões de determinados locais . Eles tem livre acesso ao nosso mundo. Podem ir e vir quando quiserem. A mitologia celta é recheada deles, e são descritos como seres que são capazes de fazer coisas como tocar, bater, matar, roubar crianças humanas, comer, ou seja, são munidos de forma corpórea, ou seja, não são apenas espíritos.

Enfim, esses conceitos todos são um tanto confusos. Ainda estou trabalhando e formulando melhor essa ideia em minha mente. Futuramente trarei textos melhores e mais elaborados sobre este tema para vocês. Por hora, apenas tentem não se confundir, assim como também estou tentando!

Eu já tive diversas experiências com alguns seres Feéricos e espíritos (lembrando, como espírito, eu compreendo a parte inteligente incorpórea de um ser desencarnado, seja humano ou não). Na minha vida druídica, eu considero essencial o contato e o relacionamento com esses seres. Não por pura vaidade ou curiosidade, mas por compromisso. Me sinto no dever de honrar estes seres por diversos motivos. Seja por gratidão, seja por tradição. 
'Não mexe comigo, que eu não ando só', já ouviram essa frase de uma música belíssima de Maria Bethânia? Então, é mais ou menos assim que acontece. Quando você firma compromissos, você passa a não andar mais sozinho. Como diz uma Aveleira por aí: "Uma dádiva por outra dádiva" ;)

~ Jully Boduogena ~