10 agosto, 2016

#30diasdruídicos: Dia 1 - Por que Druidismo?



     Quando criança eu me sentia diferente. Não especial, mas diferente. Cresci numa casa cheia de árvores e animais, flores e pedras encantadas. Ali naquele lugar, eu montava meu cantinho sagrado. Brincava de bruxa da floresta, colecionava pedras diferentes que eu encontrava no quintal, observava as árvores, brincava com os animais, e quando anoitecia, eu observava calmamente a escuridão daquele lugar. Ficava muito escuro, à ponto de realmente não enxergar nem mesmo a silhueta das árvores. E eu sabia que ali eu não estava sozinha. Pelo contrário. Havia um batalhão de seres que se movimentavam pelas árvores no escuro. Aquilo me fascinava. Eu sabia que não eram meus animais, eu sentia no meu íntimo a presença de seres mais fortes e mais antigos que minha casa. É o tipo de coisa que não se explica, se vive.

      Os anos foram passando e eu fui percebendo que não gostava de ir à missa com meus pais e que não me interessava por aquele tipo de fé. Meu negócio era ficar de pé no chão na terra e conversar com a Lua. Cheguei, então, em uma idade em que meus pensamentos críticos estavam à flor da pele e decidi que o cristianismo não era parte da minha vida. Conheci a Bruxaria e a Wicca. Me fascinaram por um bom tempo e uma amiga - que não sei se inda está viva - apelidada de Morgana começou a me ajudar em meu caminho. Me indicava livros e sites, me passava exercícios e era uma conselheira. Saudades imensas eu tenho dessa senhora. 

     Os anos se passaram e houveram alguns contratempos na minha família que me fizeram ir para a igreja evangélica junto com todo mundo de casa. No começo eu tive muita resistência pq tudo aquilo ia contra aos meus princípios e as minhas crenças, mas com o tempo, a gente aprende que a vida nos quebra e remonta, abala nossas estruturas para depois nos fortalecer. Era isso que estava acontecendo. Me despi de todos os meus preconceitos e crenças e caí de cabeça numa religião completamente diferente. Ali fiquei alguns anos e quando meu tempo se findou, peguei minha bagagem espiritual e parti sem dizer "adeus". Não houve arrependimento. Eu apenas entendi que o que eu tinha de fazer ou aprender ali, estava feito. E a partir daquele momento, uma nova jornada se iniciava.

     O principal motivo de ter largado a fé cristã, foram os chamados dos Deuses Antigos que pulsavam em meu coração e alma. Meus queridos, quando vc sente esses chamados, não há como explicar e nem como fugir. É simplesmente mais forte do que vc. E foi assim. Eu ouvia vozes que diziam "volte para nós querida", "seu tempo aí já acabou", "estamos te esperando". Eram vozes doces e amigáveis, vozes que eu já conhecia desde a minha infância. Aqueles seres que estavam no escuro entre as árvores estavam me chamando de volta. Os Deuses estavam novamente em meu caminho e eu não podia ignorar esse quentinho no coração.

     Foi difícil no começo. Eu novamente fui rasgada, quebrada e revirada por dentro. Precisei novamente me desfazer de preconceitos e medos. De ideias, de crenças e de certezas. Meu mundo virou de cabeça para baixo e por um tempo mantive uma luta interna muito sangrenta. Mas, no final, me joguei de cabeça novamente ao que a vida estava me oferecendo. Voltei a estudar Bruxaria, voltei a ler sobre Wicca, trilhei o caminho sozinha por um tempo. Mas, eu ainda não estava completa. Eu tinha uma grande fascinação pelos Celtas que a Wicca não supria. Faltavam informações, faltava fundamentos, faltava uma base histórica que me desse certezas. E eu não queria ficar misturando coisas, eu queria algo que fosse o mais puro possível. Algo que mais se aproximasse dos Celtas. Ah, então aí eu descobri o Druidismo. Nossa, mas o que era aquilo? Uma religião completamente celta! Que tinham estudos históricos, informações mais completas, mitos, cultura, todo um aprofundamento naquela cultura que me fascinava! Wow, era aquilo então. Descobri que era Druidismo o nome do que eu estava procurando. Então comecei a correr atrás de pessoas que me pudessem me ajudar a descobrir mais sobre isso. Eu não queria mais praticar sozinha, eu queria um grupo. Queria estar em contato com pessoas que tivessem a mesma paixão que eu. E assim foi. 

     Rowenna, uma das druidistas mais lindas e sábias desse país, me indicou um grupo chamado Ramo de Carvalho e pediu que eu procurasse um  Wallace. Bateu o medo. Eu pensei: "agora é tudo ou nada". Encontrei o moço que ela me indicou no Facebook, adicionei e logo ele puxou assunto me dando as boas vindas. Então, escrevi um texto, pensei muito, respirei fundo e "é agora ou nunca!". Uma semana depois, estava eu toda tímida no parque Triannon para minha primeira reunião com o grupo. Eu nem imaginava que minha vida seria completamente mudada a partir dali. Fiz amigos, vivenciei experiências loucas e maravilhosas, minha jornada de aprendizado se tornou cada vez mais satisfatória. Além de uma nova religião, havia ganhado uma tribo. 

     Hoje, o Druidismo é para mim muito mais que uma religião céltica, mas um caminho espiritual de aprendizados e conquistas que me completa. Hoje me sinto plena espiritualmente. O Druidismo me ensinou a honrar meus Ancestrais, me ensinou que os Deuses devem ser conquistados com compromisso e honra e que Eles não estão ao nosso serviço, me ensinou a honrar a minha tribo, meus amigos e família. Me ensinou que a Honra é importante e que nem sempre é fácil mantê-la. O Druidismo hoje está entre minhas principais prioridades de vida. Porque, como eu disse, não é apenas uma religião, mas um caminho que deve ser seguido de coração e com muita dedicação.

     Minha jornada está apenas começando. Hoje sou uma Vate iniciada no Ramo de Carvalho e com isso recebi um novo nome diante dos Deuses: Boduogena, que significa a filha do Corvo. E com este nome recebi a responsabilidade de me dedicar aos Deuses, à Tribo e à Comunidade com honra e sabedoria. E aqui estou, compartilhando um pouquinho de minhas experiências com vocês. Então, por que Druidismo? Eu respondo, porque eu fui chamada para isso. Porque faz parte da minha jornada. Porque tenho muito o que aprender nessa e em outras vidas e talvez tenha algo para ensinar. Porque este é o caminho que me completa e aquece meu coração. 
     E aqui estou, à serviço dos Deuses, disposta a continuar trilhando este caminho. Não importa qual for a dificuldade, é o desejo do meu coração seguir com honra até chegar o dia de voar nas asas negras de minha mãe, a Morrigan.


~ Jully Basilio (Boduogena) ~