09 junho, 2016

#deusa: Elen dos Caminhos - Analisando o Mito - parte 5



por Jully Basilio

Chegamos à parte 5 da série de textos sobre Elen, e hoje irei fazer uma análise do mito "O Sonho de Macsen Wledig". Se você ainda não leu, clique aqui para ler. Darei continuidade ao texto acreditando do fundo do coração que você já sabe de cor e salteado S2 

~ O CENÁRIO
O mito se passa entre Roma e o País de Gales. A história começa exaltando as qualidades do grande e poderoso imperador Macsen,deixando bem claro que ele era a autoridade máxima de Roma e, diga-se de passagem, adorava este fato e gostava de esfregar isso na cara de sua vassalagem.
A aventura começa quando Macsen, após um longo dia de caçada, resolve descansar à beira de um rio que banhava Roma. Ali ele entra em um sonho e passa por obstáculos naturais até chegar à um grande castelo no País de Gales e conhecer a mulher de sua vida. O que acontece depois vocês podem ler em detalhes no mito. Agora quero focar nos atributos de Elen que podem ser observados através dessa história.

~ ELEN COMO PSICOPOMPO
Se você está se perguntando o que raios é um psicopompo, basicamente é um ser (humano, animal ou espiritual) que guia a alma humana por jornadas ou transições. Um ser viajante dos Mundos, aquele que está aqui mas também pode estar lá. E Elen é isso. No mito, ela se apresenta à Macsen através de um sonho, onde ele precisa atravessar alguns obstáculos: montanhas, rios, pedras e por último o oceano que por si só já é conhecido nos mitos celtas como o portal que leva os viajantes ao Outro Mundo.
Além da questão do sonho, Elen também é conhecida por guiar viajantes em jornadas espirituais devido às suas estradas. Mas já já chego lá.

~ A LIGAÇÃO COM A NATUREZA
Hoje em dia, Elen é cultuada como deusa das florestas, cachoeiras e animais. E isto se deve também ao mito. A morada de Elen é um grandioso castelo em uma ilha. O castelo por sí só é rodeado de grandes e verdes montanhas, cachoeiras infindáveis, rios de água cristalina e próximo ao mar. A descrição desse local é feita de forma detalhada em seu mito - um lugar de maravilhas, onde o próprio Macsen, que possuía de tudo, ficou imensamente encantado. Este lugar maravilhoso é o seu domínio e, portanto, é impossível falar de Elen sem que a mente viaje por águas profundas.
Na história, um evento interessante também acontece: no exato momento do sonho de Macsen onde os dois fazem amor, os animais entram num espécie de frenesi. Os cavalos batem seus cascos e relincham endoidecidos e os cachorros latem e tentam se soltar de suas coleiras. Talvez esse detalhe demonstre, miticamente falando, sua ligação com os animais.

~ A SOBERANIA
Elen é dita uma deusa de Solstício de Inverno. Existem outros aspectos e assimilações que levaram à isso. Mas, eu irei analisar pelo mito. O mito deixa escrachado em nossa cara que Elen carrega consigo a Soberania e por este motivo, ao meu ver, ela é associada ao Solstício de Inverno pois, nesta época são celebradas deidades como Macha, Rhiannon e Epona - que, por sua vez, possuem como um dos aspectos principais, a Soberania.
Voltemos então a falar da Soberania. Em diversos momentos do mito, a Soberania de Elen é reafirmada e eu farei abaixo uma lista desses acontecimentos:
1) Elen vivia num grande castelo com imensas riquezas, ou seja, possuía fartura em abundância e fertilidade em suas terras - sinal claro da presença da Soberania;
2) Elen era uma princesa, filha do rei Eudav;
3) Assim como em outros mitos de deusas soberanas (Rhiannon, por exemplo), houve uma dificuldade imensa para encontrá-la e precisou de um grande esforço por parte do herói para que finalmente conseguisse alcançá-la;
4) Quando os vassalos de Macsen convidaram Elen à ir até Roma para conhecer o imperador porque assim era a vontade dele, ela rapidamente rebateu os vassalos dizendo que se ele quisesse, ele mesmo que a fosse encontrar - aqui deixando mais que claro que ela não iria se curvar diante da vontade de homem algum e explicitando que ela era senhora de sua própria vida;
5) Após o casamento, Elen pediu como prêmio as Ilhas Britânicas para que seu pai governasse como seu vassalo e também exigiu 3 castelos que seriam construídos em locais escolhidos por ela - afirmando assim, sua soberania sobre aquelas terras;
6) Elen ordenou que fossem construídas estradas e estas, por sua vez, levaram seu nome e ela mesma acompanhou a construção - novamente afirmando sua Soberania sobre aquele local;
7) Elen Lwyddog também é chamada de Elen of the Hosts, que significa "Elen dos Exércitos" - aqui podemos ver um aspecto de guerra. Ela por si mesma não era guerreira, mas era aquela que inspirava seus guerreiros a lutarem. O mito nos conta que seus guerreiros eram muito dedicados à ela. Portanto, ela seria o arquétipo de líder que possui a lealdade de seus homens;
8)  Através dos irmãos e dos guerreiros de Elen, Roma foi reconquistada e assim entregue novamente à Macsen - aspecto comum em mitos de Soberania, como por exemplo, no mito de Flidais em que quando ela é raptada, acaba trazendo prosperidade para o povo que a raptou (e após sua morte, tudo foi de mal a pior), no caso de Elen, acabou por trazer novamente o poder e a prosperidade à Macsen, pois ele era o imperador soberano de Roma e isso havia sido tirado dele;
9) Num último item, podemos ver Macsen questionando Elen sobre seus irmãos não terem entregue Roma em suas mãos. Elen, então, responde dizendo à Macsen para que ele próprio pedisse Roma para si, já que era dele por direito - particularmente, interpreto esta ação como Elen entregando a Soberania à Macsen também. Quem tem soberania, dá soberania.

~ A PROTETORA DOS VIAJANTES
Este é um ponto bem interessante. Elen hoje é também chamada de protetora dos viajantes e senhora dos caminhos. Isso também se deve ao mito que nos conta que após ver seu marido passar por apuros em acampamentos distantes, ordenou que fossem criadas estradas que ligassem seus castelos para facilitar as viagens de seu marido e também dos guardas. Essas estradas além de receberem o nome dela (Sarn Elen é uma delas), também foram acompanhadas de perto pela própria Elen.
Esse aspecto nos remete à duas coisas:
1) Elen se compadece dos viajantes que passam por estradas e caminhos difíceis. Esses caminhos podem ser físicos (viagens de carro, avião, navio, carroça, a pé, trilhas e etc) e também abstratos (as sendas da vida, por exemplo. Situações difíceis em nossas vidas que muitas vezes olhamos e nos vemos encurralados);
2) Aqui entra a parte do psicopompo que citei lá em cima. Por ela ser uma guardiã de caminhos, ela está lá e está aqui, ela caminha entre os Mundos e nos guia em jornadas espirituais. Também é uma divindade que pode ser trabalhada na questão de abertura de portais, assim como Manannán mac Lyr.

~FINALIZANDO
Elen possui outras assimilações. Por exemplo, é representada com galhadas de cervo e é associada com renas e cervídeos no geral. Porém, apenas analisando este mito essa associação não fica clara, e na verdade, nem é citada.
Dizem as más línguas que a Elen citada neste mito, não é, de fato, uma deusa e sim apenas a descrição da verdadeira esposa do imperador Maximus, que foi considerada santa pelo cristianismo de Gales, pois ela em sua vida foi grande propagadora de um "cristianismo celta". Mas até então, não se sabe o que é falácia de cristão mal resolvido e o que é sincretismo católico(o que, basicamente é a mesma coisa). Por via das dúvidas, vamos focar no mito ;)

Então é isso pessoal, espero que tenham gostado. Eu pretendo ainda escrever pelo menos mais uns 2 artigos sobre Elen e depois prometo que escreverei sobre outras coisinhas ♥


- FONTES DE PESQUISA

Saint Elen - Wikiwand

Sacred Texts - The Mabinogion: The Dream of Maxen Wledig

O Sonho de Macsen Wledig 

~~ Atenção ~~ 
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98