28 dezembro, 2018

O Chamado da Grande Rainha

imagem retirada da internet

O vento soprava violentamente. O coração gritava gelado. As lágrimas escorriam quentes.
Foi assim que a Senhora me encontrou, face a face, pela primeira vez. Num momento de dor e vazio. O fundo escuro do poço já tocava meus pés.

Eu estava pronta para desistir, já tinha jogado as armaduras no chão. Minhas armas? Enferrujadas, jaziam no fundo de um rio congelado. Não haviam mais guerras que me moviam. Não havia mais frenesi. Meu maior inimigo havia me vencido: eu mesma.

Deitada em meio ao vazio e a dor, de repente me vi vagando num vale sombrio. Tudo era escuro. Frio. Solitário. Tive a sensação de estar atravessando os véus entre os Mundos.

E foi aí que você apareceu. Altiva. Soberana. A imagem de tudo que naquele momento eu jamais seria. Me recepcionou com um sorriso debochado. Eu? eu não passava de um pedaço de trapo sujo e inútil. Destruída, despedaçada, sem esperança. Mas, apesar de tudo isso você viu em mim algo que ainda não tinha morrido por completo: Fé.

E daquele último lampejo de fé, você decidiu que forjaria uma guerreira. Me estendeu a mão e ofereceu uma chance de lutar novamente. Suas palavras naquele dia foram frias e cortantes como um punhal, e seu abraço foi quente como o fogo do Inferno que molda as melhores almas.

Então eu renasci. Através de ti eu respirei novamente. Vesti minha armadura e destrui o gelo daquele rio para resgatar as minhas armas. Não seria fácil. E não foi fácil. E não está sendo fácil. Caminhar contigo é enfrentar monstros o tempo inteiro, é cair e levantar novamente mais forte.

No dia em que fui abraçada pelos teus corvos, eu respirei viva com a certeza de que havia ganho um sentido para continuar. Você deixou marcas profundas na minha pele, no meu coração, na minha alma. Marcas que me dão força quando estou ferida pelas batalhas. E quando estou prestes a desistir novamente, sou tomada pelo teu frenesi.

Ainda sou uma guerreira imperfeita, com falhas que às vezes me levam à quedas doloridas. Às vezes me pego olhando novamente para o poço, mas a imagem refletida não é a mesma de anos atrás. E quando começo a esquecer como é a sua voz, você aparece toda faceira para me lembrar onde é o meu lugar no mundo e quem realmente eu sou.

Tempos sombrios estão por vir. Guerras, dores, destruição e injustiça chegarão brevemente por estas bandas. A Senhora despertou com seu séquito de espíritos e guerreiros pelos lados de cá. Tantas pessoas ouviram teu chamado. Seus corvos pairam por aqui alvoroçados. E nada disso é coincidência.

Morrigan, que teu nome seja honrado
Morrigan, que seus guerreiros despertem e lutem
Morrigan, que teu Frenesi seja o nosso Frenesi

Sejamos verdadeiros guerreiros da Grande Rainha, que o chamado Dela na nossa vida seja a força que nos move nesses próximos anos que estamos prestes a enfrentar. Empunhem suas Espadas, vistam suas Armaduras, aperfeiçoem sua Magia e se abriguem nas asas do Corvo da Batalha.
Não estamos e jamais estaremos sós.

Que os Deuses nos ajudem!

Ao som de: Helvegen - Wardruna

BODUOGENA


~~ Atenção ~~ 
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98


19 dezembro, 2018

É possível praticar Druidismo de forma solitária?




Como alguns de vocês já devem ter percebido, eu exclui o canal do YouTube. Com ele, também foi uma parte do meu coração e da minha história. Mas fiz o que julguei ser o necessário para mim mesma em primeiro lugar. Por enquanto eu tenho intenção de manter este blog, pois escrever faz parte de mim, ainda que eu não seja nenhuma erudita.

Há uns meses atrás eu havia feito um vídeo sobre praticar Druidismo solitariamente. Acredito que meus pensamentos a seguir sirvam para qualquer senda espiritual, pois sou defensora ávida da ideia de que nós somos os únicos responsáveis por criar e manter um caminho espiritual saudável e que faça sentido para SI MESMO.

Á princípio, o que me levou a fazer este vídeo foi a pergunta de uma das inscritas do canal: "Posso celebrar rituais druídicos sozinha? Preciso fazer parte de uma Ordem para isso?", bem, já que apaguei o canal, me senti instigada a escrever sobre esse assunto e desta vez trazer novas considerações sobre este famigerado tema.

Eu acredito que qualquer pessoa possa celebrar o que ela quiser, da forma que ela quiser, desde que saiba o que esteja fazendo e que isso faça sentido e funcione pra ela. Isso inclui ser um druidista, ou druida, ou pagão celta, recon, bruxa, whatever solitário. Para cuidar da Espiritualidade, seja ela qual for, não existe necessidade nenhuma de estar em um grupo ou ordem. Ainda que seja o mais comum, não há nada que impeça uma pessoa de seguir solitariamente.

O Druidismo não é uma religião para ser praticada apenas em grupo. Ele é uma filosofia de vida também, ou seja, é um caminho que faz com que você mude seus hábitos e sua forma de ver as coisas. É um caminho para se auto conhecer e também conhecer e comungar com a Natureza à sua volta. E para isso não há a necessidade de estar em um grupo. Claro que existem aprendizados e experiências interessantes quando se faz parte de um círculo de pessoas, bem como traz, ou pelo menos deveria trazer, a noção de Comunidade. Conviver e aprender diretamente com outras pessoas que são mais velhas naquele Caminho ou até mesmo ensinar os mais novos. Celebrar os rituais com irmãos de fé. Tudo isso é bastante engrandecedor na jornada, mas não é indispensável, pois, no fim das contas, sempre será você e o seu Caminho, você e o seu aprendizado, você e os seus Deuses, Espíritos e Ancestrais. Sem uma conexão íntima e solitária com essa Espiritualidade, qualquer contato em grupo se torna vazio.

Portanto, ainda que pertençamos à algum grupo, coven, círculo, caer, etc, é extremamente essencial colocar em prática seu aprendizado no dia-a-dia. Não é só celebrar os festivais 8 vezes ao ano e já achar que o dever está cumprido. Os festivais, sabás, celebrações, ou seja lá como você chama, são apenas parte de ser uma pessoa comprometida com a sua espiritualidade. É necessário bastante estudo, prática, desenvolvimento, questionamento, dedicação. Muitas vezes, estar em um grupo auxilia e muito no processo de aprendizagem (isso é, se você estiver num grupo decente), mas este não é o único caminho. Estudar sozinho é mais difícil, mas ainda assim também é uma boa opção.

Vamos falar sobre sacerdócio. Diferentemente da Wicca, o sacerdócio no Druidismo não é uma espécie de dedicação à determinada Divindade. Ele é voltado para a Comunidade de uma forma ou de outra. Uma pessoa que possui alguma posição sacerdotal dentro do Druidismo vai certamente estar envolvido com outras pessoas, sejam elas pagãs ou não. E aqui, meus queridos, eu trago um novo ponto de vista, venho publicamente me contradizer: no vídeo, eu havia dito que para ser um sacerdote druídico, você PRECISA estar em um grupo. Mas vem cá, senta aqui com a tia e vamos analisar uma situação: Fulano é praticante de druidismo há 999 anos, se intitula druida, vate ou bardo, não faz parte de nenhum grupo, porém está envolvido em projetos sociais, utiliza de seus conhecimentos mágicos para auxiliar outras pessoas, mesmo sozinho consegue idealizar e pôr em prática projetos e estudos interessantíssimos sobre sua Espiritualidade. E aí tem o Beltrano, que por sua vez, faz parte de uma ordem ou grupo druídico, se intitula druida, vate ou bardo, sempre aparece nos eventos druídicos mas faz vários nadas por ninguém, nem mesmo pela sua própria religião, que dirá por pessoas fora dela. E aí, quem na face da Terra tem alguma moral pra dizer que o Fulano é menos sacerdote que o Beltrano só porque ele não está inserido num grupo druídico? Olha, eu que não serei essa pessoa. Acho que no meio druídico ainda falta muita conversa sobre esse assunto. Falta mais empatia e egos menos inflados. Há um "ditado" em nosso meio que diz que "quem reconhece o sacerdote é a comunidade e não ele mesmo", mas deixo aqui no ar a pergunta: Quais são os critérios para haver esse reconhecimento? Enfim, esse assunto renderia uma postagem inteira e é bem capaz que eu volte aqui só pra falar disso. Mas hoje, não é o foco, voltemos então aos praticantes solitários.

Então, bem, suponhamos que você é uma pessoa iniciante e está tentando desbravar esse caminho louquíssimo que é a senda druídica e não faz ideia de por onde começar, eu tenho aqui algumas dicas que pode ou não lhe ajudar, isso vai depender de quão interessado você realmente está.


1º ESTUDE E PRATIQUE

Essa é a dica de ouro. O estudo abrirá portas para um mundo vasto e delicioso da espiritualidade céltica. Comece estudando a Mitologia dos povos célticos para conhecer seus Deuses e crenças. Embora seja bem chato - e confesso, preciso me dedicar mais à isso também - estude História. O estudo histórico vai fazer com que tenhamos menos devaneios fantasiosos sobre os Celtas e suas crenças. Estude também as práticas druídicas de outras pessoas pelo mundo. E a melhor forma de fazer isso é lendo livros e blogs de outros praticantes (ou, até mesmo conversando com eles. Mas isso deixo para os mais extrovertidos, o que não é o meu caso). Aqui no blog, na coluna à direita, eu tenho uma lista imensa de outros blogs e sites de praticantes de espiritualidade céltica. Delicie-se. E não se esqueça de praticar o que estudar pois, "Conhecimento é a teoria e Sabedoria é a prática".


2º MEDITE

A meditação abre as portas da nossa mente para experiências maravilhosas. Se você já pratica Magia, certamente sabe que a maior parte dos trabalhos mágicos acontecem pela cabeça primeiro. Por onde vocês acham que a Vontade, Intensão e Fé agem? Praticar meditação diariamente começará a facilitar o seu contato com o mundo espiritual, bem como com seu próprio eu, que certamente também tem muito a ensinar. Comece com um exercício simples de respiração por 5 minutos. Depois comece a praticar visualização criativa. Vá aos poucos, se você tem MUITA dificuldade de aquietar a mente, a insistência será sua melhor amiga.


3º COMECE UMA RELAÇÃO COM UMA DIVINDADE

O Paganismo Céltico é politeísta, isso significa que temos aí uma infinidade de Deuses e Espíritos que podemos obter contato. Se você nunca teve afinidade com nenhum deus ou deusa, essa é a hora de começar. Escolha um e tente estabelecer contato. Faça oferendas, orações, cante canções, crie poesias, deixe frutas, alimentos, bebidas. Deixe a criatividade e a Inspiração fluir. Se você não sabe o que a Divindade escolhida gosta, vá estudá-la. Leia seus mitos, leia textos (mas procure boas fontes, não se contente com o primeiro site que aparecer), não tenha preguiça de conhecer a Divindade. E o mais importante, saiba ouvi-la. Tenha em mente que os Deuses tem muitas formas de se comunicarem.


4º TENHA UM ESPAÇO SAGRADO

Esse espaço sagrado pode ser em algum cômodo de sua casa. Um cantinho onde você coloque um altar com itens que sejam realmente úteis e importantes pra você em seu trabalho espiritual. Você não precisa ter um altar chique e luxuoso, a menos que você tenha abundância em dinheiro e realmente ache que seja importante na sua prática. Cada um com seus gostos e necessidades, não é? Mas a ideia é que você tenha um ponto de força que você dedique exclusivamente para isso. Tenha também em mente que a sua CASA por completo deve ser um local sagrado. Sua casa tem alma, mantenha as energias equilibradas, a limpeza física e espiritual em dia, faça da sua casa o seu refúgio, a sua guardiã, como uma mãe que te acolhe sempre. Se você não tem autorização para ter um altar físico em sua casa, faça um espaço sagrado no Astral (por isso a meditação é importante).


5º NUNCA DEIXE NINGUÉM DIZER QUE O DRUIDISMO NÃO É PRA VOCÊ

Parece bobo isso mas é verdadeiro. Infelizmente, existem muitas figuras inconvenientes no mundo, e assim como em qualquer religião, o Druidismo também tem pessoas de ego inflado e arrogantes. Não dê ouvido à elas. Não se envolva com elas. Não fique em desespero pra fazer amizades porque você acha que precisa de outras pessoas pra ser alguém. E, ainda que você tenha o desprazer de conhecer essas pessoas, saiba que elas não são as donas da razão. E, ainda que você não conheça ninguém legal capaz de te ajudar, saiba que os Deuses continuarão lá para você. E no fim das contas, é só isso que importa. Não existe nada mais Sagrado e único do que o laço que te une aos seus Deuses e não deixe NINGUÉM debochar ou desmerecer da sua experiência pessoal. Ela só precisa fazer sentido pra você e para mais ninguém.

Encerro essa postagem desejando que ajude alguém. Qualquer coisa, deixe aqui nos comentários

Ao som de: Helvegen - Wardruna

BODUOGENA


~~ Atenção ~~ 
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98

07 maio, 2018

Reflexões de Samhain

Photo on Visualhunt

Me sentei para escrever e a primeira coisa que pensei foi: "nossa que frio, Samhain chegou e com ele o Inverno".
Eu queria me sentar aqui e escrever sobre o ritual com as meninas do Caer Saille, gostaria de dizer como foi leve e intenso, como o Outro Mundo nos recebeu tão agradavelmente, como as energias fluíram de forma natural. Queria expressar como esse ritual foi importante e divisor de águas na minha vida, mas o que acontece em Samhain, fica em Samhain. Agora mais do que nunca, dado que nos foi solicitado segredo. Ordem dos Deuses é ordem dos Deuses, não é mesmo?

05 janeiro, 2018

Tradução: Quando você escuta o Chamado de Morrigan

Créditos: John Beckett
Fonte: “When you hear the call of the Morrigan”, por John Becket em seu blog “Under the Ancient Oaks”. Disponível em: <http://www.patheos.com/blogs/johnbeckett/2017/07/hear-call-morrigan.html>. Acesso em: 02 de janeiro de 2018.

29 dezembro, 2017

Tradução: Druidismo não é minha religião


Ontem li um texto que me deixou bastante inspirada e achei digno de receber uma tradução. Lembrando que este não expressa necessariamente a minha opinião, mas sim a do autor, o qual concordo em muitas partes.